Fração

Fração :  s.f.  Ato de partir, rasgar ou dividir; parte de um todo; quebrado

Encontraram duas vezes para tentar rascunhar a partilha, mas foi um fracasso. Não chegavam a um denominador comum. Ele apresentando uma proposta que para ela estava fora de cogitação. No calor da emoção, porém, ela não conseguia apresentar uma contra-proposta. Não tinha um décimo da racionalidade dele para decidir sobre as divisões do patrimônio dos anos de casados. Também nunca fora expert em matemática. Aliás, na sétima série, teve que tomar aulas particulares para aprender equação do segundo grau. Até hoje sabe de cor a fórmula para encontrar o delta: Bê ao quadrado menos quatro a c.

Repetia mentalmente a fórmula enquanto aguardavam a advogada que ia cuidar da partilha. Optaram por um profissional que pudesse chegar a um denominador comum. A sala de espera minúscula e aquele constrangimento, um ao lado do outro como se fossem dois estranhos e não um casal que havia partilhado a cama por tantos anos. Muito mais da metade da cama sempre era ocupada por ele que, além de fora de forma, dormia com travesseiros vários. Um abraçado ao corpo, outro entre as pernas e o terceiro tampando o rosto. A divisão da cama não era nada justa e ela quase sempre dormia espremida entre o terceiro travesseiro e a parede na qual a cama estava encostada.

A cama, aliás, era uma metáfora dos últimos tempos da vida conjugal. Ela espremida contra a parede, o marido distante, vários obstáculos impedindo uma reaproximação. A repetição mental incessante da fórmula do delta foi interrompida por uma pergunta vinda daquele agora estranho sujeito  com quem atualmente só dividia a poltrona daquele escritório. Quando o olhar dela se deparou com o rosto dele, levou um susto, o nariz dele tinha diminuído horrores!!! Não, ele não tinha feito plástica depois da separação, mas parecia muito menor do que antes. De fato, há muito havia parado de olhar cara a cara pra ele, mas a impressão é que o nariz tinha diminuído. Por uma fração de segundo, o achou até mais bonito, mas a admiração passou como um relâmpago.

A pergunta era se ela havia trazido uma contra-proposta, se tinha pensado na partilha ou iriam partir do zero. Começar do nada seria o destino dela, caso aceitasse aquela planilha que ele insistia em apresentar, pensou com seus botões. O questionamento quebrou o silêncio entre os dois, mas ela não estava com a mínima paciência de começar a discutir a divisão ali, mesmo por que estavam pagando uma pessoa para encontrar uma fração ideal para os dois. Ela respondeu laconicamente que havia pensado em algumas alternativas e frisou que não aceitaria ser lesada. Não fariam uma conta de Malba Tahan para encurtar a partilha. Mentiu descaradamente, sabia que no fim das contas abriria mão de alguma coisa para evitar o desgaste. Mesmo assim, fingiu que estava determinada a defender a parte que lhe cabia daquele patrimônio. Foda-se, era uma representação, mas nada ali parecia muito real: até o nariz dele havia reduzido pela metade…

Ele sorriu um sorriso amarelo e sacou do bolso uma barrinha de cereal – sim, agora que o casamento chegou ao fim o canalha resolveu fazer uma dieta… Desembrulhou a barrinha e ofereceu um pedaço. Para não se fazer de chata, resolveu aceitar e o que saiu em sua mão foi uma lasquinha, muito menos que a fração ideal que tanto apostava que a advogada encontraria para aqueles que um dia foram dois, mas agora seguiam cada um por si. E mastigou a lasca da barrinha enquanto voltava a repetir mentalmente a fórmula do delta…

barrinha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s