Todos os Caetanos do mundo

Primeiramente, devo confessar que sempre fui mais Chico do que Caetano. Até que ontem descobri que não sou tão convicta assim, pois fiquei completamente balançada pela filho da Dona Canô, no show Cobra Coral Canta Caetano. E, de quebra, também virei fã número 1 do quarteto mineiro, no melhor estilo, “nunca te vi, sempre te amei”. Flávio Henrique, Mariana Nunes, Kadu Vianna e Pedro Morais selecionaram preciosidades da obra do Caetano Veloso e fizeram um show marcante!

Sabe quando você já cantou uma música de cor e salteado, dezenas de vezes, mas só de repente se dá conta da beleza dos versos? Isso me arrebatou nos primeiros minutos. Achei de uma beleza tão triste esta queixa…”Um amor assim violento/ Quando torna-se mágoa/É o avesso de um sentimento/Oceano sem água”.

caetano-veloso

Mas logo em seguida me reanimei com a verde-e-rosa e a Bahia, a estação primeira do Brasil: “Isso é a confirmação de que a Mangueira/É onde o Rio é mais baiano”.

Na voz de Mariana Nunes, impossível não pensar que Caetano é baianeiro e seu Trem das Cores são todas as maria-fumaças serpenteando Minas Gerais: “As casas tão verde e rosa que vão passando ao nos ver passar/Os dois lados da janela/E aquela num tom de azul quase inexistente, azul que não há/Azul que é pura memória de algum lugar”.

E teve os músicos, seus arranjos fantásticos e suas vozes lindas pra lavar a alma da plateia em Podres Poderes: “Será que nunca faremos senão confirmar/A incompetência da América católica/ Que sempre precisará de ridículos tiranos/Será, será, que será?

Pra lavar a alma e também nos fazer lembrar dos versos mais lindos compostos debaixo dos caracóis daqueles cabelos: “Eu vi a mulher preparando outra pessoa/O tempo parou pra eu olhar para aquela barriga/A vida é amiga da arte/É a parte que o sol me ensinou/
O sol que atravessa essa estrada que nunca passou”.

E vieram mais e mais versos, mais arranjos, mais releituras, todas delicadamente escolhidas e ensaiadas, inclusive uma ou duas composições do lado B do Caê.

Mas o que arrebatou mesmo foram as clássicas, os grandes sucessos, as composições icônicas e poderosas como uma Tigresa, cantada no improviso por Mariana Nunes: “Mas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar/Porque ela vai ser o que quis, inventando um lugar/Onde a gente e a natureza feliz vivam sempre em comunhão/E a tigresa possa mais do que o leão”.

cobra coral

Que prazer em dose dupla! Obrigada, Caetano, por me fazer descobrir o Cobra Coral! Obrigada Cobra Coral, por me fazer (re)descobrir o Caetano!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s