Arquivo mensal: maio 2018

Fala baixo, se não eu grito!

Os barulhos são meus pastores e a paz me faltará. Tudo começou com o Shopping Cidade. Sou sobrevivente da construção do centro de compras quando o mesmo veio se instalar ao lado do prédio onde morávamos felizes e tranquilos, na Rua Rio de Janeiro.

Foram noites em claro, ligando para os pedreiros, ligando para o Disk-silêncio, que é mudo, saindo de camisola e baixando na construção pra implorar, “pelo amor de Deus, seus cabras, eu preciso dormir”…Tudo em vão porque os empreendedores do shopping estavam pouco se lixando pra insônia dos moradores e dá-lhe britadeira.

Depois dessa experiência traumática, quando precisava escolher um lugar pra morar meu primeiro critério sempre era o silêncio. Meu apartamento no bairro Coração Eucarístico era numa rua tranquila, de frente pra um terreno com uma árvore linda. No amanhecer, um bando de passarinhos vinha se aninhar na árvore e era o máximo! Tive convicção que morava no paraíso e até escutava as trombetas dos anjos. Mas o barulho é um fantasma que encontra brechas e veio a primeira decepção…cortaram a árvore para…adivinhem? Construírem um prédio horroroso.

Acabou minha lua-de-mel com o sossego. E não parou por aí, minha vizinha de cima também comprou um karaokê. É uma delícia cantar músicas bregas e loucas em um bar, em uma festa, em uma despedida, mas ter uma cantoria dessas em cima da sua cabeça, todo sábado e domingo era a treva. E ela, a vizinha até então adorável, cantava mal pacas, e tinha fixação pela música, filme triste, que me fez chorar…Ora, filme triste era aquele que eu estava vivendo…

Corta para a vida no Buritis. Como sempre, apartamento em rua tranquila. Escolhi um predinho em uma via com pouco trânsito, já pra evitar o estresse do bairro mais populoso de BH com a fama de agitado…Novamente a vizinhança tirou minha graça. O problema era o morador solitário do terceiro andar, que passava seu tempo livre, que coincidia com o meu, jogando videogame. Ele era um gamer que realmente entrava no espírito do jogo. E a cada partida ele gritava palavrões impublicáveis, e pulava e urrava em cima da cabeça da gente. A situação ficou tão insustentável que foi pauta de reunião de condomínio.

Mas morando na Alameda do Silêncio, em Pasárgada, não podia dar errado, né? Uma casa numa rua com um nome desses, bicho! Pois o barulho também se esconde nas matas da Região Metropolitana de BH. É para os condomínios que fogem os moradores da cidade estressados com barulhos. E eles vão fazer o que nesses lugares bucólicos? Justamente fazer as festas que os incomodavam na cidade. Nos últimos meses, rolou até uma rave e não teve nem um amigo do rei pra salvar a gente.

megaphone

No Gutierrez a vida é sossegada, não posso queixar. Mas queixo assim mesmo: o playground do prédio é debaixo da minha janela. Não, eu não dei essa mancada ao escolher o apartamento. Quando o prédio estava pronto, os moradores decidiram que o melhor lugar para as criancinhas animadas do edifício brincarem em casinhas de boneca,  balanços e escorregadores era justamente debaixo da minha janela.

Mas você pode estar achando que tô inventando, que sou intolerante, que vida na cidade grande tem barulho em tudo quanto é lugar, menos na sessão de massagem relaxante, correto? Nem sempre…duas horas atrás estava alegre e satisfeita recebendo uma massagem pra aliviar o estresse que ando vivendo. Tudo ia maravilhosamente bem…A massagista uma fofa, com óleos cheirosos, música zen, sala escurinha, e mãos firmes para desatar todos os meus nós quando…começou um barulho. Uma marreta batendo na parede ao lado. Imaginei que era algum vizinho pregando um quadro e aquilo ia acabar logo – eu sou sempre otimista!

Mas não passou, as marretadas persistiram, depois intensificadas por uma furadeira. Diante do caos, resolvi sair do meu nirvana e perguntar o que estava se passando. A massagista estava corada, coitada…e me explicou muito constrangida  que eram obras na casa de máquinas, ao lado da sala de massagens,  pra consertar o elevador. E lá se foi todo meu relax tão sonhado…

Mesmo que eu só queira um pouco de silêncio, talvez os sinais sejam esses,  é preciso conviver com os altos decibéis, se safar dos turbilhões, pra alcançar a calmaria. Ainda assim, que p**** é essa? Tô com vontade de berrar bem alto e acordar toda a vizinhança!!!!!!!!!!

Anúncios